sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

John Piper — Os Cristãos Deveriam Celebrar o Natal?

Apresento a posição de John Piper quanto à celebração do Natal e em seguida alguns links de renomados teólogos sobre o assunto:

17.12.10 | Postado por: Yago Martins


Eu compreendo aqueles que querem ser rigorosamente e distintamente Cristãos. Que querem ser libertos do mundo e qualquer raiz pagã que possa repousar sob nossa celebração do Natal, mas não me posiciono da mesma maneira nesta questão porque penso que chega um ponto onde as raízes já estão distantes de tal forma que o significado presente não carrega mais nenhuma conotação pagã. Fico mais preocupado com um novo paganismo que se sobreponha a feriados cristãos.

Eis um exemplo que eu uso: Todo idioma tem raízes em algum lugar. A maioria dos nossos dias da semana [em inglês] —se não todos— saíram de nomes pagãos também. Então deveríamos parar de usar a palavra “Sunday” (domingo) porque ela pode ter estado relacionada à adoração ao sol em um tempo distante? No inglês moderno, “Sunday” (domingo) não carrega aquela conotação, e é a própria natureza do idioma. De certa forma, os feriados são como a linguagem cronológica.

O Natal agora significa que marcamos, no meio cristão, o nascimento de Jesus Cristo. Nós achamos que o nascimento, a morte e a ressurreição de Cristo são os eventos mais importantes na história humana. Não marcá-los de alguma forma, através de uma celebração especial, me parece que seria insensatez.

Eu lembro de ter sido vizinho de um casal nos tempos de seminário que não celebrava os aniversários de seu filho. A ideia era, em parte, que todos os dias eram especiais para o menino. Mas se todos os dias são especiais, então provavelmente significa que não há dias especiais. Contudo, algumas coisas são tão boas e preciosas — como aniversários e até mesmo mortes — que são dignas de serem marcadas. Quão mais o nascimento e a morte de Jesus Cristo!

Realmente vale o risco, mesmo que a data de 25 de Dezembro tenha sido escolhida por causa de sua proximidade com algum tipo de festival pagão. Vamos apenas tomá-la, santificá-la e fazer o melhor com ela, porque Cristo é digno de ser celebrado em seu nascimento.

Não há motivo para escolher outra data. Não vai funcionar.

Por John Piper. © Desiring God. Website:desiringGod.org
Tradução: voltemosaoevangelho.com
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

LINKS SOBRE A PRÁTICA DO NATAL EM NOSSOS DIAS:
http://tempora-mores.blogspot.com/2010/12/calvino-contra-o-natal.html
http://renatovargens.blogspot.com/2010/12/respostas-aqueles-que-odeiam-o-natal.html

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Padre Fábio de Melo e Pastora Ludmila Ferber no Domingão do Faustão de 1...



Ferber, Fábio e Fausto se juntaram no Domingão do Faustão para discutirem religião. A Pastora Ludmila da Igreja Celular e o Padre Fábio de Melo da Igreja Católica, compareceram ao programa dominical para cantarem juntos e responderem a algumas questões da platéia. Foram envolvidos numa conversa anti-intolerância religiosa. O apresentador enfatizou a necessidade de “tolerância” entre religiosos, pois “não importa a igreja... o que importa é a opção de cada um”, o que importa é servir a Deus do seu próprio jeito e buscar seguir a religião que melhor se adapte. Esse pensamento é intolerante. De acordo com essa idéia errônea o verdadeiro seguidor de Cristo não tem que repreender os erros de outros que estejam pecando contra Deus, pois Deus é quem se adéqua aos pecadores. Nesse caso, o cristão autêntico não precisa anunciar o requisito fundamental para a salvação: “Crê no Senhor Jesus” e arrepender-se de seus pecados abandonado-os completamente.
O pior é que o padre e a pastora concordam com isso. Eles dizem que, e nome do amor, precisam está juntos para alcançarem seus alvos. Eles dizem que Jesus salva, liberta, cura e é a esperança. Mas, se eles não ligam para coisas fundamentais da Bíblia, a grande questão é: de quê Jesus salva? Na verdade, se não dão ênfase ao pecado do pecador, de que mesmo Jesus liberta?
Algumas questões foram mais bem argumentadas pelo padre do que pela pastora, mesmo que os argumentos fossem errados, foram mais bem elaborados. Eles foram mais que evasivos quando tiveram que responder sobre casamento, batismo, homossexualismo, dinheiro, igreja e bíblia. O que se nota é que o ministério deles são conduzidos por princípios pluralistas, secularizados, e permissivos. A Globo que além de ganhar dinheiro às custas dos religiosos, ganhando audiência e vendendo discos, não deixa também de fazer uma apologia contra a família. Afinal, não esperava outra coisa deles, nem mesmo da Ludmila e muito menos do Padre, pois, eles devem ser obrigados a comparecem a programas como aqueles devido seu contrato com a Som Livre (Este é um dos motivos por que não vejo com bons olhos a adesão de artistas evangélicos com a Globo). Mas não podia me calar diante da manifestação dessa tentativa de apagar a verdadeira mensagem do Evangelho que é o poder de Deus para salvação de todo homem. Que Deus tenha misericórdia de nós!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

CORRUPTOS, SOMOS TODOS CORRUPTOS!

CORRUPÇÃO, UM PROBLEMA DE TODO SER HUMANO

Um dos grandes problemas e catástrofes da humanidade é ela mesma. Afirmo isto, pois a corrupção está impregnada no ser humano. Nós somos corruptos por natureza. Em pequena ou em grande escala temos este desvio de conduta. Portanto, precisamos nos tornar mais éticos em reconhecer isto e combater este mal.
O dia 9 de Dezembro é separado como um dia especial de combate à corrupção. Momento em que podemos refletir não no pequeno cisco que existe no olho do outro, mas, na trave que está no nosso. Um jornal eletrônico noticiou o seguinte:
De acordo com o levantamento da Global Corruption Barometer ('Barômetro da Corrupção Global', em inglês), 27% dos brasileiros acham que a corrupção se manteve estável nos três últimos anos, enquanto 9% acreditam que ela diminuiu neste período.
Esta pesquisa foi feita a nível mundial, no entanto, aqui no Brasil, eles pesquisaram mil pessoas, que deram o seguinte resultado:
Apenas 4% dos entrevistados no país dizem ter pago propina no último ano. A corrupção no Brasil aumentou nos últimos três anos, na opinião de 64% dos brasileiros entrevistados em uma pesquisa realizada pela ONG Transparência Internacional.
Na realidade a mazela se estende de forma muito mais ampla do que a pesquisa mostra. Ela não atinge apenas as instituições governamentais, mas toda classe e área da vida humana. Eles demonstraram uma escala das classes corrompidas:
A maioria dos brasileiros entrevistados acredita que os partidos políticos e o Poder Legislativo são as instituições mais propensas a ter corrupção. Em uma escala de 1 (nem um pouco corrupto) a 5 (extremamente corrupto), tanto os partidos quanto o Legislativo ganharam uma nota média de 4,1.
Em seguida, vem a polícia (3,8) e o Judiciário. A instituição tida como menos corrupta pelos brasileiros são as Forças Armadas (2,4).
A questão mais importante é: como estas instituições se corromperiam se a massa não exigisse a tal atrocidade? Certamente seria muito mais difícil um político, um policial ou qualquer servidor se sujar moralmente se o povo, o cidadão não os induzissem a isso.
A Bíblia registra que a corrupção do homem gerou juízo da parte de Deus: “A terra estava corrompida à vista de Deus...” (Gênesis 6.11). E diz: “Disse o Senhor: Farei desaparecer da face da terra o homem que criei...” (Gênesis 6.7). O profeta Jeremias denuncia de onde procedem as práticas corruptas: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”
Ouvimos notícias atuais de propinas entre vereadores e empresários, uns se vendendo, outros comprando e todos se corrompendo. Vemos no executivo, e no judiciário a mesma coisa. Sabemos que há dessas coisas até mesmo nos lugares mais santos, onde não deveria existir. Que tristeza!
Afinal, há solução para este estado deplorável? Sim, existe! Façamos uma luta contra a tendência corruptora em nós mesmos e depois nos outros. Quem sabe assim destruamos este mal antes que ele nos destrua. Como fazer isso? Somente pelo sangue de Jesus! Arrependendo-se e clamando a Ele por misericórdia, perdão e força para lutar contra a corrupção.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Execução de pastor iraniano - Portas Abertas

Pastor iraniano enfrenta execução


Pôr do sol no Irã
IRÃ (2º) - A International Christian Concern pede oração urgente pelo pastor preso Youcef Nadarkhani que recebeu a notificação de que será executado sob a acusação de "apostasia" - a conversão do islamismo para o cristianismo - e aguarda agora o veredicto final do tribunal.

O pastor Youcef Nadarkhani, líder da igreja em Rasht, no Irã, foi preso em 13 de outubro de 2009 por questionar a prática de educação islâmica de estudantes cristãos - incluindo seus próprios filhos – que obriga a leitura do Alcorão na escola.

Sua execução, inicialmente prevista para 24 de outubro, foi adiada para uma data desconhecida pelas forças de segurança na esperança de que Youcef renunciasse a Cristo e voltasse ao islamismo.

Uma vez que o veredicto final do tribunal é entregue, o pastor Youcef terá 20 dias para recorrer ao Supremo Tribunal Federal.

A esposa do pastor Youcef, Fatemeh Passandideh, foi presa em 08 de junho e sentenciada à prisão perpétua. No entanto, depois de uma apelação, ela foi liberada após uma audiência de 11 de outubro.

Embora sua esposa tenha sido absolvida, é improvável que o seja concedido o mesmo ao marido pois a sua atividade cristã era mais proeminente e sua acusação mais grave.
Em uma carta à comunidade cristã internacional, o pastor Youcef tomou coragem e consolou os cristãos ao redor do mundo: "O que temos hoje, é uma, mas não insuportável situação difícil, porque Ele não nos prova mais do que a nossa fé pode suportar... Devemos considerar essas situações e as prisões como uma oportunidade para testemunhar o Seu nome."

Pedidos de oração:

• Ore para que o pastor Youcef Nadarkhani encontre coragem e confiança no Senhor. Ore também para que se for vontade de Deus, ele seja liberado e se não, que ele exemplifique a Cristo e dê glória a Deus em seu chamado para sofrer pelo nome de nosso Salvador.
• Ore pela esposa do pastor e seus dois filhos para que Deus sustente-os durante este período de grande provação. E que eles permaneçam firmes na fé e perseverem em face da tirania e da perda.
• Ore pelos cristãos iranianos para que não sejam intimidados ou se cansem, mas compartilhem o Evangelho com coragem e procurarem orientação do Senhor e a graça diariamente.


Tradução: Carla Priscilla Silva

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Eleições 2010 - Em quem devo votar?

EM QUEM DEVO VOTAR?
TEXTOS: ROMANOS 13.1-7; 1 SAMUEL 8, 12

Antes de votarmos em qualquer candidato a algum cargo político, devemos nos perguntar: “em quem devo votar? Devemos ponderar quem Deus quer que coloquemos para governar-nos por quatro anos. Claro que devemos abandonar todo interesse pessoal e egoísta e pensarmos no benefício de todos, especialmente na glória de Deus.
Precisamos considerar que aqueles que colocarmos no poder serão aqueles que receberão a nossa submissão e obediência em tudo aquilo que o Senhor não for infringido. Ou seja, estaremos prontos a cumprir suas determinações e leis que declaradamente não ofenderem os princípios maiores, que são os de Deus. Analisemos então Romanos 13.1-7
1. DEUS É O DOADOR DA AUTORIDADE – v.1
2. Os crentes têm uma base racional distinta para se submeterem, de modo apropriado, às autoridades governamentais: o reconhecimento de que o próprio Deus é a fonte do governo na sociedade humana (Pv 8.15,16; Dn 2.21. Nenhum governante chega ao poder se não for pela determinação de Deus. Os bons (para o bem do povo) e os maus (para a disciplina do povo). Toda autoridade é instituída por Deus. Seja para o povo se alegrar ou seja para o povo gemer.
3. REBELAR-SE CONTRA A AUTORIDADE CIVIL IMPLICA NO MESMO CONTRA DEUS – v.2-3
Quando o Governo nos impõe boas leis e normas que não ferem os princípios bíblicos e nós não as cumprimos estamos transgredindo não somente ao Estado, mas também a Deus. O Legislativo, o Judiciário e o Executivo são instituídos por Deus para serem autoridades respeitadas e obedecidas por nós quando eles cumprem seus deveres de acordo com a vontade revelada de Deus.
4. A AUTORIDADE DEVE BENEFICIAR A SOCIEDADE – v.4 a
Isto é a sua função normal, mesmo quando as autoridades do governo sejam reconhecidamente não-cristãs. O dever do governo ou qualquer autoridade é realizar o bem ao povo. Este bem se aplica na vida física, emocional, moral, ética, social e acima de tudo espiritual do indivíduo, se é que podemos distingui-lo assim.
5. DEUS OUTORGA AO ESTADO O PODER DA ESPADA – v. 4b
A “espada”, ou seja, o poder da vida e morte dos mal-feitores; Punição capital (At 25.11). É verdade que em um sistema atual falho é difícil adotarmos essa atitude na nossa realidade brasileira. Mas, o Governo tem este poder de fazer se o fizer com justiça e equidade. É bom notar que isto não dá o direito de normatizar atos como a “eutanásia” e “aborto” e outras ações condenadas pelo Criador.
6. A SOCIEDADE NÃO DEVE DEIXAR DE PAGAR SEUS IMPOSTOS – v.6
Visto que a tarefa do governo é divinamente ordenada e requer apoio financeiro, o crente deve pagar imposto com sentimento de devoção a Deus – Mt 22.21; compare com At 4.18-31; 1Co 6.1; 1Pe 2.13.
É errado sonegar impostos. O cidadão fiel não sonega, não retém para si o que não lhe pertence. Mas também, é errado o Governo impor pesados tributos ao povo. Isso sempre foi condenado por Deus que odeia a desigualdade social onde os ricos ficam cada vez mais ricos às custas dos pobres. Deus abomina a usura, o uso de juros altos que escravizam os necessitados.
I. O INÍCIO DA MONARQUIA - O povo exige um rei (1Sm 8)
Na Bíblia hebraica, 1 Samuel vem depois de Juízes, o qual termina com triste o refrão: “naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto” (Jz 21.25). Samuel trouxe o governo teocrático. Ou seja, Deus mesmo governava através de seu representante o profeta, sacerdote e juiz.
A instituição da monarquia foi um novo estágio na história política e religiosa de Israel, embora essa idéia propriamente dita fosse conhecida nos vizinhos (Jz 3.12). Uma das causas da relutância de Israel não ter instalado ainda um rei, está revelada nas palavras de Gideão (Jz 8.23). Um princípio fundamental na fé do povo israelita era de que o próprio Senhor (Javé) era o soberano de Israel, e o seu grande Rei (8.7; 12.12). Mas, já existiam idéias de um rei – Nm 24.7,17-19.
Nesse contexto, vê-se com clareza a pecaminosidade ao clamor do povo por um rei humano. Não que Israel não deveria ter um rei, mas, o que é censurável é o desejo do povo de ter um rei “como o tem todas as nações” (8.5), porque esse desejo significa a rejeição do maior de todos os reis (8.7).
II. A QUEDA DO REI QUE O POVO QUIS – a decepção do primeiro rei de Israel.
Saul é apresentado em 9.2 como uma pessoa impressionante de notável aparência presumivelmente como o povo queria (10.23). Quando fazemos escolhas usando meramente conceitos humanos e interesseiros certamente estamos cavando a nossa própria cova. A monarquia foi claramente concebida como tendo necessidade da orientação de Deus, assim como nós precisamos da orientação divina para eleger nossos governantes e não usarmos a nossa paixão partidária e egoísta. Saul falhou em algumas ocasiões importantíssimas com relação às exigências de Deus:
1. Não esperou por Samuel, tomou o lugar de profeta – 1Sm 13.8-14;
2. Desobedeceu a Deus preservando a vida do rei e de muitos animais – 1Sm 15
3. Necromancia e espiritismo – 1Sm 28.7; 1Cr 10.13.14;
Existem políticos que estão envolvidos com coisas contrárias à vontade de Deus na Sua Palavra? Então não o coloquemos no poder, senão será uma tragédia.
Para eleger alguém como líder eram precisos três passos:
Primeiro: a designação como tendo sido a escolha do Senhor.
Você já sabe qual é a vontade do Senhor? Já ponderou estando de joelhos e Bíblia aberta para saber bem em quem deve votar?
Segundo: uma demonstração de bravura e de ter recebido poder da parte do Senhor ao realizar uma façanha heróica, e;
Terceiro: a confirmação pelo povo.
Saul fora designado por Samuel e tivera uma experiência profética (10). Atacou os filisteus (10.5,8) e teve vitória importante, e é coroado em Gilgal.
Saibam que depois de você votar será de fato aquele em quem você votou que estará lá. Você é responsável por isso!
O processo de ascensão ao trono foi completado, e o discurso de Samuel no capítulo 12.3-15 mostra três argumentos para compelir o povo a reconhecer a sua própria culpa em pedir um rei:
1. Convida o povo a concordar que ele tinha sido um líder inculpável – v.4-5;
2. Ressalta que sempre tinha sido o Senhor quem nomeava líderes – v.6; e se mostravam adequados – v.7,8;
3. Enfatiza que, mesmo quando os israelitas “esqueceram-se do Senhor, seu Deus”, o Senhor fora gracioso para com eles. Embora os sujeitasse à opressão dos inimigos – v. 9. Ele atendia suas confissões de pecados e seus rogos por livramento (10) e suscitava juízes, entre os quais estava o próprio Samuel (11). Dentro desse contexto da suficiência da provisão do Senhor, a exigência do povo em ter um rei humano, embora o próprio Senhor fosse seu rei (12), pode ser considerada rebelião (8.7). Mesmo assim a monarquia pode ter sucesso, se tanto o rei quanto o povo temerem ao Senhor, o servirem e atenderem à sua voz (14).
CONCLUSÃO: leiamos 1Sm 12.13 em contraste com 8.18, 16.1 e 8.10. Depois disto eu e você podemos responder: “Em quem devo votar?”
Pela amada igreja, a eleita do Senhor: Pr. João Duarte

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

NOTA DE FALECIMENTO


Faleceu, na Igreja dos negligentes e frios na fé, dona "Reunião de Oração", que já estava enferma desde os primeiros séculos da era cristã.

Foi proprietária de grandes avivamentos bíblicos e de grande poder e influência no passado.

Os médicos constataram que sua doença foi motivada pela "frieza de coração", devido a falta de circulação do "sangue da fé". Constataram ainda: "dureza de joelhos" - não dobravam mais - "fraqueza de ânimo" e muita falta de boa vontade.

Foi medicada, mas erroneamente, pois lhe deram grande dose de "administração de empresa", mudando-lhe o regime; o xarope de reuniões sociais" sufocou-a; deram-lhe "injeções de competições esportivas", o que provocou má circulação nas amizades, trazendo ainda os males da carne: rivalidades, ciúmes, principalmente entre os jovens.

Administraram-lhe muitos "acampamentos", e comprimidos de "clube de campo".

Até cápsulas de "gincana" lhe deram pra tomar!

RESULTADO: Morreu Dona "Reunião de Oração"!

A autópsia revelou: falta de alimentação, como "pão da vida", carência de "água viva", e ausência de vida espiritual.

Em sua memória, a Igreja dos negligentes, situada na Rua do Mundanismo, número 666, estará fechada nos cultos de 3as e 5as Feiras; aos domingos, haverá Culto ou escola dominical, só pela manhã, assim mesmo quando não houver dias feriados, emendando o lazer de Sexta a Segunda e vigília nem pensar.

Agora, uma pergunta:

SERÁ QUE O LEITOR NÃO AJUDOU A MATAR A DONA "REUNIÃO DE ORAÇÃO"?

Fonte: email recebido do Pr. Enéas Alexandrino

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Plena Satisfação em Deus - Parte 2.

Desenvolvido pelo ministério Desiring God, nos Estados Unidos, e produzido no Brasil pela Editora Fiel, este vídeo exclusivo faz parte de um DVD que contém 8 mensagens do pastor John Piper.

John Piper, parte 2 from Editora Fiel on Vimeo.

A DESINTEGRAÇÃO DA IGREJA

A DESINTEGRAÇÃO DA IGREJA
MALAQUIAS

Você é multmaniano? Ou você é bultmaniano? Ou é boffiniano? Ou talvez você seja finniano? Alguns devem está desejosos de responder: “Não, eu sou terráqueo mesmo”. Me entendam: mesmo sem saber você pode ser uma destas coisas!
Multmann e Leonardo Boff são dois grandes colaboradores da Teologia da Libertação. Rudolf Bultmann foi uma mola propulsora para a Teologia Liberal e consequentemente para a vida cristã liberal. Na intenção de apresentar uma mensagem contextualizada pecou proclamando um ensino que nega a veracidade, suficiência e inerrância das Escrituras. Charles Finney foi grande influência no modelo evangelístico de hoje. Ele criou o sistema de apelo, criou o “banco dos aflitos” onde os ouvintes de suas mensagens poderiam ir para demonstrarem seus desejos de uma suposta nova vida. Só que daqueles convertidos pelos apelos emocionais de Finney poucos permaneciam. Com isso a igreja foi invadida pelo liberalismo e pelo secularismo desenfreado. E onde estavam estes homens? Nos seminários e faculdades.
E o que dizer da Teologia da Prosperidade? O que pensarmos de Kenneth Hagin, Benny Hinn (Bom Dia Espírito Santo), David (Paul) Yonggi Cho, no Brasil você conhece Bispo Macedo, Missionário R.R. Soares (que é cunhado de Edir Macedo), Apóstolo Waldemiro Santiago, o casal Estevam e Sônia Hernandes, Valnice Milhomens, Marco Feliciano e Silas Malafaia. Eles vendem as bênçãos de Deus! Eles não ganham dinheiro para evangelizar, mas, evangelizam para ganhar dinheiro! E estão conquistando nossas igrejas. Os membros de nossas igrejas preferem o ensino deles em detrimento ao nosso.
Hernandes Dias Lopes desabafa:
O espírito pós-moderno tem levado muitos crentes à banalização do sagrado. Milhares de pessoas entram pelos umbrais da igreja evangélica, mas continuam prisioneiras de suas crendices e de seus pecados. Têm nome de crente, cacuete de crente, mas não vida de santidade. Em vez de ser instruídas na verdade, são alimentadas por toda sorte de misticismo forâneo às Escrituras. Em vez de crescerem no conhecimento e na graça de Cristo, aprofundam-se ainda mais no antropocentrismo idolátrico, ainda que maquiado de espiritualidade efusiva. Dentro desta cosmovisão, os céus estão a serviço da terra. Deus está a serviço do homem. Não é mais a vontade de Deus que deve ser feita na terra, mas a vontade do homem no céu. Tudo tem de girar ao redor das escolhas, gostos e preferências do homem. O bem-estar do homem e não a glória de Deus tornou-se o foco central da vida. Assim, o culto também tornou-se antropocêntrico. Cantamos para o nosso próprio deleite. Louvamo-nos a nós mesmos. Influenciados pela síndrome de Babel, celebramos o nosso próprio nome.
Nesse contexto, a mensagem também precisa agradar o auditório. Ela é resultado de uma pesquisa de mercado para saber o que atrai o povo. O ouvinte é quem decide o que quer ouvir. O sermão deixou de ser voz de Deus para ser preferência do homem. Os pregadores pregam não o que o povo precisa ouvir, mas o que o povo quer ouvir. O misticismo está tomando o lugar da verdade. A auto-ajuda está ocupando o lugar da mensagem da salvação. Assim, o homem não precisa de arrependimento, mas apenas de libertação, visto que ele não é culpado, mas apenas uma vítima. O pragmatismo pós-moderno está substituindo o genuíno evangelho.
A banalização da teologia desemboca na vulgarização da ética. Onde não tem doutrina bíblica sólida não pode haver vida irrepreensível. A teologia é mãe da ética. A ética procede da teologia. Onde a verdade é substituída pela experiência, a igreja pode até crescer numericamente, mas torna-se confusa, doente e corrompida. O povo de Deus perece quando lhe falta o conhecimento. Onde falta a Palavra de Deus, o povo se corrompe. Outrossim, onde não há santidade, ainda que haja ortodoxia, o nome de Deus é blasfemado.
Leonard Ravenhil diz:
“E eu costumava dizer que mesmo que tardasse, a igreja sofreria pelo pecado da América. Eu mudei de idéia. Acredito que a América sofrerá pelo pecado da igreja”.
Andrew Bonar disse:
“Eu procurei pela igreja e a encontrei no mundo. Eu procurei pelo mundo e o encontrei na igreja”.

Para falarmos num contexto semelhante a este é preciso ler o ultimo profeta do Antigo Testamento, Malaquias. Temo em pensar que alguns pastores só abram neste livro da Bíblia para lerem o capítulo 3 versículo 10. Mas este profeta tem uma mensagem atual e poderosa para a igreja e seus pastores. Leiamos Ml 1.6-14
I. UM DESPREZO DO NOME DE DEUS
Vemos aqui o Antropocentrismo:
O homem valoriza o homem. Um culto ao homem. O homem se encontra no centro da vida e das atenções. Quando valorizamos demasiadamente o homem desvalorizamos a Deus. Quando tributamos honras ao homem desonramos a Deus! Diante disso, o nosso dever é:
a. Honrar a Deus como Amoroso – v.2 a
b. Honrar a Deus como Pai – v.6
c. Honrar a Deus como Senhor – v.6
d. Honrar a Deus como o grande Rei – v.8 e 14b
e. Honrar a Deus como Gracioso – v.9 a e 1.5
f. Honrar a Deus como Grandioso – v.11
g. Honrar a Deus como SENHOR dos Exércitos – v.14c - título que dá ênfase ao seu poder. O termo “Exércitos” pode ser entendido como se referindo ou aos astros, ou aos anjos, ou às forças armadas de Israel.
h. Honrar a Deus como possuidor de um nome terrível – v.14 d
Deus, e somente Deus merece a honra e a glória. Soli Deo glória, disseram os reformadores! Façamos um culto teocêntrico, abandonemos toda exaltação ao homem. Deus deve ser o receptor, Deus deve ser o motivo, Deus deve ser o conteúdo do seu culto, somente Deus!
Aquele povo não dava gloria a Deus. Como assim?
Eles ofereciam pão imundo:
Eles ofereciam animal doente:
Eles ofereciam fogo sem vida: v.10
Eles ofereciam um serviço cansativo: v.13
II. A REJEIÇÃO POR PARTE DE DEUS
Vejam que Deus indica a graça dEle para aquele povo – v.9 a
Porém, Ele exige mudanças de atitudes – 9b “mas, com tais ofertas em vossas mãos, aceitará ele a vossa pessoa?”
Observe comigo que antes da oferta (culto) Deus ver o ofertante. Antes de Deus avaliar a adoração ele avalia o adorador. Deus diz para aqueles que realizavam os cultos: “Eu não tenho prazer em vós”. Ele não se agradou do culto, mas antes não se agradou do adorador! Não foi assim com Caim e Abel?
Deus rejeita o culto congregacional. Ele deseja que alguém feche as portas do templo para que não haja culto – v.10
Enganam-se aqueles que pensam que Deus tem apenas um atributo. Deus é amor, mas também é Deus zeloso... O mesmo Deus que amou a Jacó aborreceu a Esaú.
a. Ele é Deus que amaldiçoa o enganador – v.14 a – É maldito todo pastor hipócrita, ator, que finge que mente que engana fingindo entregar um culto agradável a Deus;
b. Ele é Deus que amaldiçoa as bênçãos do sacerdote: 2.2
c. Ele é Deus que amaldiçoa os próprios sacerdotes: 2.2
d. Ele é Deus que reprova a descendência dos sacerdotes: 2.3
e. Ele é Deus que abomina o pecado e o pecador: 2.16 e Salmo 5.5


III. A ACEITAÇÃO DO MINISTÉRIO ÍNTEGRO
Observemos 2.5-7 quatro marcas de um ministério íntegro que é aceito por Deus:
1. O ministro íntegro mantém um profundo relacionamento com Deus –
“[...] com efeito ele me temeu, e tremeu por causa do meu nome [...] andou comigo em paz e em retidão”.
Muitos que trabalham para Deus não andam com Deus. Muitos que dirão: Senhor, Senhor, não herdarão o reino dos céus;
Muitos que fazem muita coisa não têm feito o mais importante! Marta e Maria;
Muitos estão pisando em terreno santo de forma leviana. Isaias viu o trono de Deus e lá estavam os querubins com seis asas...

2. O ministro íntegro é incorruptível na doutrina – “A verdadeira instrução esteve em sua boca”.
O ministro que fala no nome de Deus deve falar nada menos e nada mais do que a Palavra de Deus! Não acrescenta nem diminui.
As pregações de hoje estão repletas de liberalismo, sincretismo, pragmatismo e ortodoxia morta.
Paulo exorta a Tito e a nós: “No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito”.
A heresia que matou o ministro certamente matará o povo. Há pastores que alimentam lobos e deixam as ovelhas comendo espinhos.
3. O ministro íntegro é estudioso e proclamador da Palavra de Deus – v.7
Existem ministros que não estudam, acham que já sabem de tudo e são auto-suficientes. Em 17/08/1760, John Wesley escreveu uma sincera carta a John Trembath exortando-o a agir diligentemente no preparo e aplicação do sermão.

“O que tem lhe prejudicado excessivamente nos últimos tempos e, temo que seja o mesmo atualmente, é a carência de leitura. Eu raramente conheci um pregador que lesse tão pouco. E talvez por negligenciar a leitura, você tenha perdido o gosto por ela. Por esta razão, o seu talento na pregação não se desenvolve. Você é apenas o mesmo de há sete anos. É vigoroso, mas não é profundo; há pouca variedade; não há seqüência de argumentos. Só a leitura pode suprir esta deficiência, juntamente com a meditação e a oração diária. Você engana a si mesmo, omitindo isso. Você nunca poderá ser um pregador fecundo nem mesmo um crente íntegro. Vamos, comece! Estabeleça um horário para exercícios pessoais. Poderá adquirir o gosto que não tem; o que no início é tedioso será agradável, posteriormente. Quer goste ou não, leia e ore diariamente. É para sua vida; não há outro caminho; caso contrário, você será, sempre, um frívolo, medíocre e superficial pregador."
Existem pastores que perderam o gosto de pastorear. Me lembro que um certo rapaz acostumado com doutores de todas as áreas me perguntou: “Para ser pastor é preciso estudar o quê?”
Então eu respondi: “Teologia”.
- Ah, esse curso pode ser feito nas horas vagas de um estudante de medicina, por exemplo – disse ele.
Então eu disse: “Pode ser. Mas, o médico vai cuidar de salvar vidas físicas. O pastor vai ajudar salvar e cuidar de almas eternas!
4. O ministro íntegro é um ganhador de almas – 2.6 - “... e da iniqüidade apartou a muitos”.
O ministro íntegro faz o trabalho de um evangelista. Ele acredita que o evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê!
O ministro íntegro visita as famílias com oração e evangelismo para ganhá-las para Cristo...
Quando me sinto deficiente nesta área volto à minha biblioteca e leio “O pescador de almas” de Spurgeon, além da Bíblia, claro.

CONCLUSÃO

A igreja está se desintegrando! Você deve lutar para ter um ministério íntegro! Deus nos ajude!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

JEJUAR, PARA QUE? Você pratica o jejum?

O JEJUM
TEXTO: MATEUS 6:16 – 18

Existe consideráveis extremos neste assunto. Alguns usam do jejum de forma exagerada a ponto de se prejudicarem, enquanto outros, não praticam de modo algum. Saibamos que o jejum é um dos meios da graça.
Aqui em Mt. 6:16 – 18 vemos o jejum com expressão de humilhação. Jesus condenava a atitude hipócrita dos fariseus, que tentavam demonstrar uma vida de tristeza pelos pecados, mas não passava de teatro. Este texto não está incentivando mentir para que descubram que está jejuando, mas antes, incentiva a sinceridade na adoração, ou seja, no jejum.
• O jejum não é mera falta de alimento (dieta). É observado, a fim de que a mente e o coração possa concentrar – se, não em questões materiais, mas inteiramente em Deus, nas tarefas por Ele designadas.

Em Mateus 9.14-17, nos aparece mais ensino sobre o jejum:
• A presença de Jesus era motivo de festa e não de luto;Jesus não recomendou o jejum com expressão de lamentação aos seus discípulos, pois Ele estava presente.
• O que Jesus quis demonstrar é que a salvação que ele trouxe não estava em sintonia com jejuns dos quais a nota de alegria se achava completamente excluída, e que isso era especialmente verdadeiro no tocante a seus discípulos, os homens que se mantinham no mais íntimo relacionamento com ele. O vinho novo do resgate e das riquezas para quantos estavam dispostos a aceitar essas bênçãos, mesmo para publicanos e pecadores, deve ser derramado nos novos odres da gratidão, da liberdade e do serviço espontâneo para a glória de Deus.


A observância devida do Jejum – Isaias 58.

1 – Pode acontecer de se observarem jejuns regularmente sem haver respostas de Deus – v. 3.

Apesar de sua religiosidade, eles não se preocupavam com o próximo. (1:15 – 17; Am.5: 23 – 24). Deviam declarar um feriado religioso para orarem e jejuar. Mas eles queriam descansar enquanto outros trabalhavam.

2 – O jejum não pode ser acompanhado de contendas e rixas – v. 4.
Estas atitudes demonstram seu orgulho e ódio. Com certeza estas orações não serão ouvidas por Deus, os jejuns de nada valerão.

3 – Deus não requer meros sacrifícios e sim misericórdia – v. 5 – 7.
Deus olha para expressões de humildade e contrição interiores diante Dele, não para as devoções aos rituais (Mt. 6:16).

4 – Se tão somente fizermos como Deus manda, nós seremos ouvidos. – vv. 8 – 14.
Para que o Senhor nos dê da sua força, do ardor, do poder, da alegria, da unidade, da disposição, do ânimo e do bom desempenho, devemos buscar o verdadeiro avivamento espiritual. O jejum é um dos meios pelos quais recebemos da Sua graça e misericórdia. Busquemos então.

Algumas considerações:
• Sempre anda junto com a oração;
• É a abstinência voluntária de alimentos como um exercício religioso;
• Pode ser individual ou coletivo.

Devemos aprender que:

I – O Jejum pode ser uma expressão de humilhação:
• Tristeza pelo pecado e confissão de pecados.
 Lev. 16:29-34 – o dia da expiação, uma vez por ano.
 I Rs 21:27; Dn.9:3,4 e Jn 3:5.

II - O jejum pode ser uma expressão da lamentação:

a) Pelo mal já experimentado:
• Derrota numa batalha (Jz. 20:26);
• Luto ( I Sm.31:12);
• A chegada de notícias dolorosas (Ne. 1:4)
• Uma praga(Jl 1:14; 2:12 – 15).

b) Pelo mal ainda ameaçado de vir.
• 2 Cr. 20:3,5 ; Et. 4:3 ; 9:31.
A base para o jejum aqui é que a tristeza e a angústia causava a perda de apetite (I Sm.1:7).

III – O jejum pode ser para promover a concentração sobre um ato ou evento religioso importante.
a) Envio de missionários – At. 13:2,3;
b) Designação de Presbíteros – At. 14:23 e Ex. 34:2,28.

A Lei sugere só um dia de jejum, mas com o passar do tempo foi – se aumentando:
• Do nascer ao pôr – do – sol – Jz. 20:26; I Sm. 14:24;
• Durante 7(sete) dias – Sm. 31:13;
• Por três semanas – Dn. 10:3;
• Por 40(quarenta) dias – Dt. 9:9,18;
• Nos meses quinto e sétimo – Zc. 7: 3 – 5;
• E ainda nos meses 4º, 5º, 7º e 10º - Zc. 8:19;
• E “duas vezes por semana” (Lc. 18:12). O que se tornou o orgulho dos fariseus.

terça-feira, 15 de junho de 2010

1.
2.
O Voltemos ao Evangelho está completando 2 anos de existência.
3. E para comemorar eles estão postando especiais com
4. sorteios, novidades e muito mais.
5. Esta semana eles estão sorteando 23 livros. Imperdível!
6.
7. Clique aqui e conheça este blog e participe dos sorteios.
8.

sábado, 29 de maio de 2010

Palmadas em crianças? Jesus BATERIA numa criança

INTERNAUTAS CRISTÃOS está em festa!

Há pouco tempo, cerca de um ano e meio, tive o privilégio que muitos já tinham há cinco anos. Acessei o antigo “CRISTAOSONLINE”, que hoje se chama “INTERNAUTAS CRISTÃOS” (http://www.internautascristaos.com.br/). Naquele maravilhoso link pude adentrar em conteúdos novos e restauradores para mim. Não me continha a apenas ler os artigos, mas também a ver os vídeos de sermões, clipes musicais, mensagens em áudios e escritas com temáticas sobre a igreja, Cristo, o Espírito Santo, vida cristã, e vários outros. Ao mesmo tempo em que apreciamos o conteúdo podemos acessar rádios e nos comunicar com outros crentes de variados lugares. E o que é bom ressaltar: o conteúdo do “INTERNAUTAS CRISTÃOS” tem princípios calvinistas.
Agora, para celebrar seus cinco anos de vida, o site Internautas Cristãos está lançando uma promoção de aniversário exclusiva para blogueiros e com muitos prêmios. Participe você também! (http://www.internautascristaos.blogspot.com/2010/05/promocoes-de-aniversario-do-site-com.html).

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Oração de um profeta menor

Oração de um Profeta Menor
A.W. Tozer

Esta oração é pronunciada por um homem chamado a ser testemunha ante as nações, e foram estas as palavras que disse ao seu Senhor no dia em que foi ordenado. Depois de os anciãos e ministros terem orado e pousado sobre ele as suas mãos, retirou-se para estar a sós com o seu Salvador, no silêncio, mais além do que os seus irmãos bem intencionados o podiam levar. E disse:

Senhor, escutei a tua voz e tive medo. Chamaste-me a uma tarefa solene numa hora grave e perigosa. Em breve abalarás todas as nações, a terra e também o céu, para que fique só aquilo que é inabalável. Senhor, nosso Senhor, aprouve-Te honrar-me chamando-me a ser teu servo. Só aceita esta honra aquele que é chamado a ser teu servo, visto ter de ministrar junto àqueles que são obstinados de coração e duros de ouvido. Eles Te rejeitaram, a Ti, que és o Amo, e não posso esperar que me recebam a mim, que sou o servo.

Meu Deus, não vou perder tempo a deplorar a minha fraqueza ou a minha incapacidade para o trabalho. A responsabilidade é tua, não minha, pois disseste: “Conheci-te, ordenei te, santifiquei-te”, e também: “Irás a todos aqueles a quem Eu te enviar, e falarás tudo aquilo que Eu te ordenar”. Quem sou eu para argumentar contigo ou para pôr em dúvida a tua escolha soberana? A decisão não é minha, mas sim tua. Assim seja, Senhor; cumpra-se a tua vontade e não a minha.

Bem sei, Deus dos profetas e dos apóstolos, que, enquanto eu Te honrar, Tu me honrarás a mim. Ajuda-me, portanto, a fazer este voto solene de Te honrar em toda a minha vida e trabalho futuros, quer ganhando quer perdendo, na vida ou na morte, e a manter intacto esse voto enquanto eu viver.

É tempo, ó Deus, de agires, pois o inimigo entrou nos teus pastos e as ovelhas são dilaceradas e dispersas. Abundam também falsos pastores que negam o perigo e se riem das ameaças que rodeiam o teu rebanho. As ovelhas são enganadas por estes mercenários e seguem-nos com fidelidade, enquanto o lobo se acerca para matar e destruir. Imploro-Te que me dês olhos bem abertos para descobrir a presença do inimigo; que me dês compreensão para distinguir entre o falso e o verdadeiro amigo. Dá-me visão para ver e coragem para declarar fielmente o que vejo. Torna a minha voz tão parecida com a tua que até as ovelhas doentes a reconheçam e Te sigam.

Senhor Jesus, aproximo-me de Ti em busca de preparação espiritual. Pousa a tua mão sobre mim. Ungeme com o óleo do profeta do Novo Testamento. Impede que eu me transforme num religioso e perca assim a minha vocação profética. Salva-me da maldição que paira sombriamente sobre o sacerdócio moderno; a maldição da transigência, da imitação, do profissionalismo. Salva-me do erro de julgar uma igreja pelo número de seus membros, pela sua popularidade ou pelo total de suas ofertas anuais. Ajuda-me a lembrar-me de que eu sou profeta, não um animador, não um gerente religioso, mas um profeta. Que eu nunca me transforme num escravo das multidões. Cura a minha alma das ambições carnais e livra-me do prurido da publicidade. Salva-me da servidão das coisas materiais. Impede-me de gastar o tempo entretendo- me com as coisas da minha casa. Faze o teu terror pousar sobre mim, ó Deus, e impele-me para o lugar de oração onde eu possa lutar com os principados, e potestades, e príncipes das trevas deste mundo. Livra-me de comer demais e de dormir demais. Ensina- me a auto-disciplina para que eu possa ser um bom soldado de Jesus Cristo.

Aceito trabalho duro e pequenas compensações nesta vida. Não peço um cargo fácil. Procurarei ser cego aos pequenos processos de facilitar a vida. Se outros procuram o caminho mais plano, eu procurarei o caminho mais árduo, sem os julgar com demasiada severidade. Esperarei oposição e procurarei aceitá-la serenamente quando ela vier. Ou se, como por vezes sucede aos teus servos, o teu povo bondoso me obrigar a aceitar ofertas expressivas de gratidão, conserva-Te ao meu lado e salva-me da praga que a isso freqüentemente se segue; ensina-me a usar o que porventura receber de tal modo que não prejudique a minha alma nem diminua o meu poder espiritual. E se a tua providência permitir que me advenham honras da tua Igreja, que eu não esqueça naquela hora que sou indigno da mais ínfima das tuas misericórdias, e que, se os homens me conhecessem tão intimamente como eu me conheço a mim próprio, me retirariam tais honrarias para as darem a outros mais dignos delas.

E agora, Senhor do céu e da terra, consagro-Te o resto dos meus dias, sejam eles muitos ou poucos, consoante a tua vontade. Quer eu me erga perante os grandes quer ministre aos pobres e humildes, essa escolha não é minha, e eu não a influenciaria, mesmo que pudesse. Sou teu servo para cumprir a tua vontade. Ela é mais doce para mim do que a posição, ou as riquezas, ou a fama, e escolho a acima de tudo o mais na terra ou no céu.

Embora eu tenha sido escolhido por Ti e honrado por uma alta e santa vocação, que eu nunca esqueça que não passo de um homem de pó e cinza com todos os defeitos e paixões naturais que atormentam a humanidade. Rogo-Te, portanto, meu Senhor e Redentor, que me salves de mim próprio e de todo o mal que eu puder fazer a mim mesmo enquanto procuro ser uma bênção para os outros. Enche-me do teu poder pelo Espírito Santo, e eu caminharei na tua força e proclamarei a tua justiça - a tua tão somente. Anunciarei a mensagem do teu amor redentor enquanto tiver forças.

E, Senhor amado, quando eu for velho e estiver fatigado, demasiado cansado para prosseguir, prepara-me um lugar lá em cima e conta-me entre o número dos teus santos na glória eterna. Amém.

www.editorafiel.com.br

ADORAÇÃO - Esta é para o "grupo de Louvor da igreja", e para todos nós!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Pregação de Prosperidade

John Piper


Quando leio sobre pregação de prosperidade nas igrejas, minha resposta é: “Se não estivesse dentro do Cristianismo, eu não desejaria estar.” Em outras palavras: se essa é a mensagem de Jesus, não, obrigado!

Atrair as pessoas a Cristo prometendo riqueza é tanto enganoso como mortífero. É enganoso porque quando o próprio Jesus nos chamou, ele disse coisas como: “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo” (Lucas 14:33). E é mortífero porque o desejo de ser rico faz com que as pessoas caiam “na ruína e perdição” (1 Timóteo 6:19). Assim, aqui está o meu apelo aos pregadores do evangelho.
1. Não desenvolva uma filosofia de ministério que torne difícil as pessoas entrar no céu.

Jesus disse: “Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!” Seus discípulos ficaram estupefatos, como muitos no movimento de “prosperidade” deveriam ficar. Assim, Jesus aumentou ainda mais o assombro deles dizendo: “É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”. Eles responderam em descrença: “Então, quem pode ser salvo?” Jesus disse: “Para os homens é impossível; contudo, não para Deus, porque para Deus tudo é possível” (Marcos 10:23-27). Minha pergunta para os pregadores da prosperidade é: Por que você desejaria desenvolver um foco ministerial que torna difícil as pessoas entrar no céu?
2. Não desenvolva uma filosofia de ministério que atice desejos suicidas nas pessoas.

Paulo disse: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (1 Timóteo 6:6-10).

Assim, minha pergunta para os pregadores da prosperidade é: Por que você desejaria desenvolver um ministério que encoraja as pessoas a se atormentarem com muitas dores e se afogarem na ruína e perdição?
3. Não desenvolva uma filosofia de ministério que encoraje a vulnerabilidade à traça e à ferrugem.

Jesus adverte contra o esforço de ajuntar tesouro na terra. Isto é, ele nos manda ser doadores, e não guardiões. “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam” (Mateus 6:19).

Sim, todos nós guardamos algo. Mas dada a nossa tendência inerente em todos nós para com a ambição, por que deveríamos tirar o foco de Jesus e invertê-lo totalmente?
4. Não desenvolva uma filosofia de ministério que faça trabalho duro significar acúmulo de riqueza.

Paulo disse que não deveríamos roubar. A alternativa era trabalhar duro com as nossas próprias mãos. Mas o propósito principal não era meramente acumular ou mesmo ter. O propósito era “ter para dar.” “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado” (Efésios 4:28). Isso não é justificação para ser rico a fim de dar mais. É um chamado para fazer mais e acumular menos, para que possa dar mais. Não há razão pela qual uma pessoa que ganha R$ 500.000,00 por ano deva viver diferentemente de uma pessoa que ganha R$ 200.000,00. Descubra um estilo de vida moderado; corte os seus gastos supérfluos; então, dê o restante.

Por que você desejaria encorajar as pessoas a pensar que elas deveriam possuir riqueza para serem um doador generoso? Por que não encorajá-las a manter suas vidas mais simples e serem um doador ainda mais generoso? Isso não adicionaria à generosidade deles um forte testemunho que Cristo, e não as possessões, é o seu tesouro?
5. Não desenvolva uma filosofia de ministério que promova menos fé na promessa de Deus ser para nós o que o dinheiro não pode ser.

A razão do escritor aos Hebreus nos mandar estarmos contentes com o que temos é que o oposto implica menos fé nas promessas de Deus. Ele diz: “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?” (Hebreus 13:5-6).

Se a Bíblia nos diz que estarmos contentes com o que temos honra a promessa de Deus nunca nos abandonar, por que desejaríamos ensinar as pessoas a desejarem ser ricas?
6. Não desenvolva uma filosofia de ministério que contribua para que o seu povo fique sufocado até a morte.

Jesus adverte que a palavra de Deus, que tem o intento de nos dar vida, pode ser sufocada pelas riquezas. Ele diz que isso é como uma semente que cresce entre espinhos, e é sufocada até a morte: “A que caiu entre espinhos são os que ouviram e, no decorrer dos dias, foram sufocados com os cuidados, riquezas e deleites da vida; os seus frutos não chegam a amadurecer” (Lucas 8:14).

Por que desejaríamos encorajar as pessoas a buscar a própria coisa que Jesus adverte que nos sufocará até a morte?
7. Não desenvolva uma filosofia de ministério que tire o sabor do sal e coloque a candeia debaixo da vasilha.

O que existe nos cristãos que os torna o sal da terra e a luz do mundo? Não é a riqueza! O desejo e a busca por riqueza têm o mesmíssimo sabor e aparência do mundo. Isso não oferece ao mundo nada diferente daquilo que ele já crê. A grande tragédia da pregação da prosperidade é que uma pessoa não tem que ser espiritualmente vivificada para abraçá-la; a pessoa precisa ser apenas gananciosa. Ficar rico em nome de Jesus não é ser o sal da terra ou a luz do mundo. Nisso, o mundo simplesmente vê um reflexo de si mesmo. E se funciona, eles comprarão.

O contexto do discurso de Jesus nos mostra o que é o sal e a terra. Eles são a disposição alegre de sofrer por Cristo. Aqui está o que Jesus disse: “Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós. Vós sois o sal da terra…Vós sois a luz do mundo” (Mateus 5:11-14).

O que fará o mundo provar (o sal) e ver (a luz) de Cristo em nós não é que amamos a riqueza da mesma forma que eles o fazem. Antes, será a disposição e a capacidade dos cristãos amarem os outros mesmo durante o sofrimento, enquanto se regozijam porque a recompensa deles está no céu com Jesus. Isso é inexplicável em termos humanos. É sobrenatural! Mas atrair as pessoas com promessas de prosperidade é simplesmente natural. Essa não é a mensagem de Jesus. Ele não morreu para assegurar isso.

© Desiring God

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in any format provided that you do not alter the wording in any way and do not charge a fee beyond the cost of reproduction. For web posting, a link to this document on our website is preferred. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.
Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. © Desiring God. Website: desiringGod.org

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Silas Malafaia vende salvação por 1000 Reais

CUIDADO: Silas Malafaia está pedindo Dinheiro, DE NOVO, com um Tetzel e uma indulgência nova ( Murdock e suas "novas revelações")
Postado por Armando Marcos às 16:48


Mais uma vez fomos atacados violentamente em uma tentativa de espoliação de nosso dinheiro. Mais uma vez Malafaia e seus pares adentraram em nossos lares com promessas não verdadeiras atrás de nosso dinheiro. Tal ataque já tinha sido anunciado há algumas semanas. Malafaia avisou que faria isso quando anunciou que o Sr. M. Murdock participaria de seu programa e para nossa angústia esse programa será reprisado algumas vezes. Como sempre fazem tais vendilhões do templo gospel adentram nossos lares com afirmações de novas revelações por parte do Espírito Santo. Não possuem base bíblica para tais afirmações daí apelarem para novas revelações. Calvino já nos advertia contra tais novas revelações já em 1540 aproximadamente. Lutero disse: “Fiz uma aliança com Deus: que Ele não me mande visões, nem sonhos, nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo o que preciso conhecer tanto para esta vida quanto para o que há de vir.”
Em agosto de 2009 M. Cerullo veio a este programa e tentou nos convencer a doarmos R$900,00 e assim seria liberada sobre nós uma unção financeira ilimitada até dezembro de 2009. Agora M. Murdock se apresenta tentando nos convencer que se doarmos R$ 1.000,00 três milagres serão liberados em nossas vidas.
Gostaria de comentar algumas aberrações ditas neste programa de 03/04/2010:
1 – A reação a um profeta do Senhor é proporcional à reação de Deus para com o homem.
Em primeiro lugar M. Murdock se coloca na posição e condição de profeta de Deus. Como se tivesse um chamado para ser profeta no Séc. XXI. Esse tipo de afirmação tentar respaldar suas falas e afirmações. Quem é competente para questionar um profeta? Nesta base tais pessoas se valem de uma autoridade auto proclamada e auto assumida e querem empurrar isso goela abaixo para a igreja. A afirmação feita por Murdock é descabida e indutiva. Isso leva o povo a crer que está obedecendo a Deus diretamente. Isso não é e nunca será verdade.
Esse tipo de pensamento e ensinamento coloca Deus como um ser desprovido de soberania, pois, fica aguardando o homem fazer para depois Ele fazer. A Bíblia nos diz que: “Agindo Deus quem impedirá?” Na Bíblia sempre a iniciativa é de Deus. Deus não reage ao homem. Deus age em relação ao homem e o homem reage à ação de Deus.
2 – Murdock disse que seu novo livro está cheio de novas revelações. Mais parece com o livro mágico do Pr. Uriel do movimento de Boston, que teve uma revelação do livro que o profeta comeu ou se não me engano de um dos livros do Apocalipse, onde um anjo falava diretamente com uma equipe de seu ministério dando o significado de tal livrinho. Tal livro do Pr. Uriel tinha tanto poder que quando alguém tocava nele caia em arrebatamento espiritual. Ao longo do programa do Malafaia, Murdock leu algumas das novas e profundas revelações que recebeu. Mais parece conto da carochinha. Tentou demonstrar uma sabedoria espetacular, mas frontalmente contrária à Palavra de Deus. Ele disse algo parecido com isso: “se você tentar obter algo que Deus não lhe deu, Deus toma de volta o que lhe deu”. Deus, nesta forma de pensamento, mais parece um menino zangado que dá e porque foi decepcionado retira o que deu. Murdock cita Sansão como exemplo. Deus havia dado a ele o favor de Israel e Seu poder, mas Sansão quis Dalila, aí Deus retira o poder de Sansão. O texto nos fala do pecado de Sanção ao quebrar o voto do nazireado e nunca essa lei imposta por Murdock. Tudo para tal pregado são leis espirituais. Se forem praticadas tudo ire bem, mas se forem quebradas o mal será descarregado em nós. Mais parece com o livro o Segredo. Exatamente o mesmo princípio.
3 – Murdock disse: “A única coisa que cria o favor de Deus é a obediência”.
Nunca vi tanto besteirol como nessa afirmação. Se for favor, Graça então não é por atitude humana. O próprio termo favor ou Graça exclui a participação do homem, pois, Graça é o favor de Deus que nós não merecemos e nem fizemos por merecer. Mas para o grande sábio Murdock o favor de Deus é recebido quando obedecemos e acredito que assim diz para fortificar sua palavra que ele é profeta de Deus.
4 – Outra pérola: “Você deve semear a expectativa de uma semente”. Tal afirmação faz coro com o famigerado ensino do Dízimo Profético. Esse ensino diz que devemos dar o Dízimo Profético, ou seja, devemos dizimar a quantia que esperamos receber 10 vezes mais. Entrego o dízimo antecipadamente sobre a quantia que quero ganhar. Ensino profano e mundano. Chega às raias da obscenidade. A prova disso é que no final do programa Murdock pede para as pessoas ligarem e se comprometerem com a oferta mesmo que não tenham dinheiro. Pede para as pessoas se comprometerem que ofertarão assim que Deus lhes abençoar. Pede para que ofertem daquele dinheiro que está reservado para um carro novo, uma viagem ou mesmo uma imprevisibilidade na vida. No fundo ele pede que ofertem de qualquer maneira, ou seja, não quer saber de onde virá o dinheiro, ele que é o dinheiro. Acredito que centenas de pessoas contrairão empréstimos para ofertar. Muitos deixarão de realizar algo importante para suas famílias e ofertarão.
5 - Murdock orou para liberar três milagres sobre os contribuintes.
1º milagre – Salvação de todos os familiares de todos os contribuintes em 12 meses.
2º milagre – Deus restituirá 7 vezes mais tudo aquilo que o Satanás levou em 90 dias.
3º milagre – Alguém demonstrará favor financeiro para cada contribuinte.
Analisemos os 03 milagres prometidos:
1º milagre: Salvação de todos os familiares de todos os contribuintes em 12 meses.
Ninguém pode garantir a salvação de ninguém, pois, a salvação vem de Deus e é obra de Deus. Sabemos que nem todos os seres humanos serão salvos, pois, Deus tem os seus eleitos e somente os tais serão salvos. Tal afirmação caminha para o Universalismo, doutrina que ensina que todos serão salvos, pois, Cristo morreu por todos. Logo ninguém se perderá. Sendo assim tudo fica mais fácil, pois, basta esperarmos para vê-los salvos. A salvação exige a responsabilidade do homem e está nunca será deixada de lado. O homem precisa responder ao sacrifício de Cristo e isso ele somente o faz quando é regenerado pela graça mediante a fé.
Agora, afirmar que porque alguém ofertou R$ 1.000,00 no ministério X salvação chegará a toda sua família no prazo de 12 meses é algo estranho à Bíblia e mentiroso. É um engodo dos mais terríveis. Salvação nunca foi e nunca será vinculada a oferta financeira, mas somente à Graça de Deus. Por isso, os reformadores cunharam uma das máximas da Reforma: SOLA GRATIA.
Está é a mesma mentira proclamada por M. Cerullo em agosto de 2009 no mesmo programa. Naquela ocasião quem desse uma oferta de R$ 900,00 receberia salvação em sua família. Nesse ponto Malafaia é coerente, pois, só trouxe ao Brasil profetas da mesma extirpe. Todos proclamando as mesmas asneiras.
2º milagres: Deus restituirá 7 vezes mais tudo aquilo que o Satanás levou em 90 dias.
Quem é M. Murdock para afirmar o que Deus fará em 90 dias? Será que é tão intimo de Deus a ponto de saber tais segredos da Divindade? Pense um pouco: Por que não 70 vezes mais? Por que não 700 vezes mais? Para quem pensa tão grande como Murdock 7 constitui-se em um número muito pequeno, não acha?
Tal afirmação de Murdock deixa Deus à mercê do Diabo. Como se Satanás fizesse o que bem entende sem prestar satisfação para ninguém. Não entendo essa mania ou ensino idiota de atribuir nossos fracassos a Satanás. Tudo o que deu errado foi o Diabo. Isso tira a responsabilidade do homem e transfere para o mundo espiritual. Ai vem alguém especial e promete que por R$ 1.000,00 que tudo voltará 7 vezes mais. Acho engraçado isso, pois, a Bíblia nos diz que Deus retribuiu a Jó 2 vezes. Muito esquisito isso!
Agora fica a pergunta: O que foi que Satanás levou? Ou o que foi perdi por causa dos meus pecados e erros de avaliação? Ou onde entra nisso tudo a Soberania de Deus?
3º - Alguém demonstrará favor financeiro para cada contribuinte.
Parece-me que alguém aparecerá do nada e dará dinheiro e resolverá todos os problemas instantaneamente. Que coisa ridícula e descabida.
O que achei mais lindo nisso tudo foi a garantia que o ofertante receberia um exemplar do novo livro de M. Murdock e um belíssimo certificado de participante do seleto grupo que quer ganhar um milhão de almas. Algo subsidiado por princípios de marketing. Acredito que centenas e cristãos colocarão o tal certificado em seus escritórios, salas de jantar ou mesmo nas cabeceiras de suas camas e se sentirão realizados e orgulhosos do que fizeram. Que pena!
Terminando Mudorck profetizou que Deus estava revelando a ele que havia uma pessoa que estava precisando de um milagre financeiro, pois, tal pessoa passa por grande crise, então deveria plantar uma semente dos seus negócios, ou seja, dizimar sobre valores arrecadados em sua empresa. Que profecia esdrúxula! Que profecia caquética! Que profetada! Observe a afirmação: Existe uma pessoa que está passando por sérios problemas... Fiquei a me perguntar: Qual pessoa? Quantos entenderão que a tal profecia diz respeito a eles? Acredito que milhares. Não houve nome de ninguém. Não houve indicação dos negócios desta pessoa. Nada específico, somente o geral. Isso contraria a Palavra de Deus que nos diz que quando o Espírito Santo falou Ananias sobre Paulo, Ele disse quem era a pessoa, como se encontrava, na casa de quem se encontrava e o nome da rua onde tal casa se localizava. Isso é profecia. Inquestionável. Ágabo profetizou utilizando o cinto de Paulo, ou seja, identificou a pessoa e mostrou o que aconteceria e Paulo recebeu tal profecia, creu nela e não se intimidou ou abalou diante dela, mas confiantemente disse que estava pronto não somente a viver, mas também a morrer por Cristo.
Logo depois o grande profeta Murdock profetizou que Deus levaria ao sucesso 12 pessoas e que era para que tais pessoas ofertassem os R$ 1.000,00. Embasou o número 12 nos números dos 12 apóstolos, nas 12 tribos de Israel e nas 12 portas da Nova Jesuralém. Estas 12 pessoas deveriam oferta 12 sementes de R$ 1.000,00 durante os próximos 12 meses. Estas 12 pessoas são sementes extras. São 12 negócios que terão favor sobrenatural de Deus.
JÁ VIMOS ESTE FILME EM AGOSTO DE 2009. CERULLO EMBASOU ASSIM SEUS R$900,00 ASSIM: O PORQUE DOS R$ 900,00 É POR ESTARMOS EM 2009 E NOVE É NÚMERO DE COMPLETUDE. 2008 ERA O ANO DE DO INÍCIO E 2009 ANO DE SER COMPLETO.
No final do apelo Murdoch disse assim: “Quanto mais rápido a semente entrar no solo, mais rápido você verá o seu crescimento.
Lembrou o grande enviado Papa Leão X Johann Tetzel. Padre dominicano que foi encarregado pelo papa para vender indulgências na Alemanha no tempo de Lutero. Tetzel tinha uma máxima: “Tão logo a moeda no cofre ressoa, a alma sai do purgatório.”
O que muito me estranha é não ver nenhum tipo de censura por da denominação pertencente tais pastores. Que pena!O que me estranha também é não existir ninguém com penetração na mídia para questionar essas coisas. Mesmo as denominações tidas como históricas têm se calado concordando assim com essa orgia gospel.
Creio que ainda restam os 7000 que não dobraram seus joelhos a Baal.
Soli Deo Glória
Pr. Luiz Fernando R. de Souza
Fonte: [ Ministério Força para viver ]
VIA : Bereianos Apologêtica Cristã ( Ruy Marinho)

Confira o programa com o Murdoch: http://www.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/hotsite/clube1M/assista.cfm

terça-feira, 6 de abril de 2010

Augustus Nicodemus - Enfrentando Provações - Tiago 1.2-20

Os moradores do Rio de Janeiro precisam assistir essa mensagem. Depois do caos causado pelas chuvas desta terça-feira, Deus tem uma palavra para essas pessoas. Mesmo que esta mensagem tenha sido gravada no ano passado, resolvi postá-la pois achei-a propícia para o momento. É da Conferência Fiel em Portugal, pregada pelo Rev. Augustus Nicodemus.

Enfrentando Provações - Exposição em Tiago 1 from Editora Fiel on Vimeo.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Se Deus é Bom e Poderoso, porque coisas ruins acontecem?

ISABELLA, QUEM A MATOU?

QUEM MATOU ISABELLA?
TEXTO: GÊNESIS 4
INT.:Temos visto o quanto o caso Isabella tem repercutido em todo o Brasil. Quantas crianças são mortas de forma brutal e que não estão na mídia (como neste caso)! Mas Deus permite que o sensacionalismo da imprensa fosse latente neste assunto para que analisemos a natureza do homem.
O julgamento da morte de Isabella tem sido acompanhado por todo o país...
Por isso é insistente a pergunta: Quem matou Isabella? Quem é o assassino?
Na bíblia temos uma história um tanto parecida que nos dão características de um assassino.
Todo assassino:
I - TÊM UMA VIDA FAMILIAR DESESTRUTURADA – Gn 3
Tanto a vida individual quanto a familiar desestruturada começou no Éden. De lá para cá tem se arruinado. Esses assassinos têm suas vidas desestruturadas:
a. Pelo Diabo – v.1
b. Pelo Ego – v.6
c. Pelo pecado e suas conseqüências – vv.11-19
II. TEM UMA VIDA DESESTRUTURADA POR UMA FALSA ADORAÇÃO – Gn 4.1-7
a. A adoração de Abel – v.4
b. A adoração de Caim – vv.3,5
c. Conseqüências:
 Inveja -
 Ira pecaminosa – “irou-se, pois, sobremaneira”;
 Tristeza – “descaiu-lhe o semblante”
d. Deus confronta anunciando os:
 Maus procedimentos;
 Desejos maus e indomáveis.
III. TEM UMA VIDA DESESTRUTURADA PELAS MÁS ATITUDES.

a. Caim levou Abel para seu território (campo). Pois os assassinos fazem assim.
b. Caim concluiu o que já estava em seu coração – v.8
c. A pergunta de Deus (0 Justo Juiz): v.9a.
d. A resposta do assassino: v.9b.
 Um versículo só resume um chamado à confissão e a resposta petulante, irreverente, hipócrita e mentirosa – “não sei”.
 Deus te faz perguntas... o que você responde? Como responde?
IV. TEM UMA VIDA DESESTRUTURADA PELAS SUAS CONSEQUÊNCIAS
a. “que fizeste?” A pergunta registra a ira do Grande Juiz;
b. “O sangue de teu irmão clama da terra a mim”
 Não tinha ninguém para socorrer;
 Mas, agora, o sangue inocente clama por vingança;
 Hebreus 12.24
c. A própria terra que bebeu o sangue de Abel foi o castigo para Caim – vv.11,12;
d. A angústia e a depressão apertavam Caim pelos seus feitos – v. 13
e. O medo da população revoltada – v. 14;
f. A Deus pertence a vingança – v.15;
g. A descendência violenta de Caim – vv. 17-24;
CONCLUSÃO:
Muitos são os assassinos. Não só aqueles que jogam uma criança pela janela (esses deverão pagar por sua maldade).
Muitas são as “Isabellas” que têm sido vítimas de tanta violência de tanto pecado, e de tanto ódio, desamor, desafeto. Pois o apóstolo João diz: “todo aquele que odeia a seu irmão é assassino...” (1Jo 3.15). As pessoas que julgam apressadamente os outros deveriam deixar isso com a justiça e se lembrarem que elas podem ser tanto assassinas quanto aquela(s) que jogou ou jogaram a criança pela janela.
Talvez você tem sido um “assassino” matando seus filhos jogando-os pelas janelas do pecado, irritando-os sem razão alguma. Ou talvez você tem sido um filho que não honra os seus pais... Ou talvez tenha “assassinado” seus amigos, visinhos e outros...
É, sabemos que aquele ou aqueles que tiraram a vida daquela criança, seja quem forem, devem pagar pelos seus erros. Afinal, é para isso que existe a justiça humana. Quanto aos delitos cometidos às ocultas, na mente e no coração, e que não são nem considerados errados por muitos, esses serão julgados pelo Grande e temível Juiz. Ele é justo. Ninguém foge dos seus olhos, ninguém se esconde da Sua presença. Portanto, cuide de confessar para Ele seus pecados pequenos e grandes. Peça para Deus te perdoar pelos seus delitos e pecados. Diga para Jesus que você quer a força dEle para viver como Ele quer!

Mas quem matou Isabella? Quem...?
Resposta:
Um pecador, igual a Caim, que chegou ao extremo. Mas que já era pecador igual a mim, igual a ti, um descendente de Caim. Pois não somos pecadores porque pecamos, mas pecamos porque somos pecadores!
Talvez câmeras que te registram no supermercado, nas escolas, nas ruas e também os olhos dos visinhos, dos amigos, das pessoas que estão ao seu redor não conseguem registrar nada de anormal em ti, mas os olhos de Deus vêem o interior do teu coração, Ele sabe dos teus planos mais secretos e ocultos. Confesse os teus pecados quando Deus te confronta, como agora mesmo. Renuncie seus pecados e adquira o perdão dado gratuitamente por Cristo que não cobra seus honorários, mas é Advogado diante do Grande Juiz. Ele te justificará te libertará e te dará uma vida nova para todo o sempre. Amém

sexta-feira, 12 de março de 2010

CHAMADO

A CONVICÇÃO DO CHAMADO

"Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, pelo mandato de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, nossa esperança"
1 Tm 1.1

Há momentos que no ministério sobrevêm dúvidas a respeito do chamado? Às vezes impulsionados pelo pouco "sucesso" chegamos a duvidar se estamos mesmo no lugar certo, agindo certo, ou até se estamos correspondendo com as ''expectativas''? As dificuldades financeiras ou outros problemas familiares têm nos desanimado? A falta de aprendizado dos nossos ouvintes, membros de igreja, tem causado tristeza e mágoas, devido maus relacionamentos, práticas anti-cristãs e farisaicas por parte de alguns ''bodes'' ou ''lobos'' inseridos no meio do rebanho? Para enfrentar tudo isso e coisas semelhantes precisamos de uma segura esperança.
As pessoas normalmente fazem um curso preparatório para escolher sua ''profissão'' com mais segurança. Tentam escolher bem para que não se arrependam mais tarde e exerçam sua profissão só como meio de sobrevivência, mas, como algo agradável e edificante.
Com aquele que foi chamado ao ministério é semelhante no ponto de haver certeza do seu chamado. Mas se distingue pelo que o ministério não é uma profissão. Certamente por não compreender esta diferença, muitos que se dizem ministros do evangelho estão profissionalizando o púlpito.
A obra ministerial exige de nossa parte perseverança, e para isso é essencial a convicção de que o chamado e a capacitação procedem do Senhor, embora use diversos meios.
Por isso Paulo enfatizou que foi chamado para ser ''apóstolo" de Cristo. Ele não cumpre esta função por mandato de homens, igreja ou denominações, mas de DEUS e do próprio Cristo Jesus. Com esta firme convicção guardada em nossas mentes e corações estaremos longe de frustrações na nossa vida cristã e ministerial. Então, precisamos perceber que:

• Não se entra no ministério porque o pai ou a mãe escolheu isso;
• Nem porque acabaram as ofertas de emprego, e como é difícil passar no vestibular para um curso melhor, se escolhe o Seminário, que é mais fácil;
• Não se engaja no ministério só porque a igreja gostou do pastor e resolveu ''chamá-lo'';
• Nem se entra no ministério para receber aplausos do povo. A crítica pode nos ajudar mais que elogios;
• Não se entra no ministério por causa de dinheiro;
• Nem só para sustentar a família;
• Não se entra no ministério para ser o mais importante do povo;
• Não se entra no ministério pela sua própria vontade, mas pela de DEUS efetuada em nós;
• Não se entra no ministério para obter ''sucesso numérico, financeiro, ou material a qualquer custo. Mesmo que isso venha naturalmente em tão somente sermos fiéis à PALAVRA DE DEUS;
• Não entramos no ministério para cumprir um propósito de realização profissional ou pessoal, mas sim, para cumprir a vontade dAquele que nos arregimentou;
• Não entramos no ministério porque já somos plenamente capacitados, mas porque estamos sendo.

Queridos colegas, ''se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja''. - 1Tm 3.1. Nada, nenhum ''outro ramo'' mais compensa em nossas vidas, se realmente somos aspirados. Assim como também não compensa insistir se não o somos.
Precisamos amadurecer nossas convicções a respeito do nosso chamado ao ministério. Isso nos animará e fortificará ante às necessidades, adversidades, provações e tentações da vida. Cristo se encarrega de interceder a nosso favor, pois fomos chamados para Ele, por meio dEle. O grande DEUS tem confiado em nossas mãos os elementos necessários para continuar exercendo eficazmente o nosso ministério. Portanto, não temas, foi o SENHOR quem te enviou. Esforça-te e tem bom ânimo e pregue a PALAVRA DE DEUS e não a negocie por nada.
Que Deus em Cristo, nosso Senhor, nos abençoe com seu Santo Espírito aplicando costumeiramente sua riquíssima graça e misericórdia pela BÍBLIA.

quarta-feira, 10 de março de 2010

O Olhar de Amor




O Olhar de Amor

Thabiti Anyabwile

Thaibiti Anyabwile – é o pastor da Primeira Igreja Batista, nas Ilhas Grand Cayman. Ele possui bacharelado e mestrado em psicologia obtidos na North Carolina State University. Serviu como pastor assistente na Capitol Hill Baptist Church, em Washington D.C. Thabiti tem sido convidado como preletor em diversas conferências e seminários nos Estados Unidos e em outros países, é autor de artigos teológicos e livros, um deles, "O que é um membro de Igreja Saudável?", está no prelo pela Editora Fiel. Ele e sua esposa, Kristie, têm três filhos.

Todos os escritores dos quatro evangelhos falam sobre aquela noite em que Pedro negou o nosso Senhor com três declarações de rejeição crescentes. Eles nos contam o choro amargo de Pedro quando ele compreendeu que Jesus predissera corretamente a sua negação, antes que o galo cantasse. Todavia, Lucas inclui um pequeno detalhe, profundo.

Lucas 22.61 diz que, após a negação de Pedro pela terceira vez e o cantar do galo, "voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro, e Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo".

Esse olhar deve ter arrasado Pedro de inúmeras maneiras! Quando o Senhor olha para nós em nosso pecado e rejeição, só podemos ficar abatidos de tristeza. E a verdade é: o Senhor nos vê todo o tempo, em nossas várias falhas, pecados, negações e rejeições.

O que foi esse olhar? O que Pedro viu nos olhos de Jesus? O olhar significou: "Eu lhe disse isso"? Não creio que o Senhor se regozijou com o fracasso de Pedro.

Jesus olhou para Pedro com olhos de ira e juízo? Não penso assim. Jesus não esmagará a cana quebrada nem apagará a lâmpada que fumega.

Aquele olhar não significou: "Como você pôde fazer isso?" Não acredito que o olhar de Jesus comunicou mágoa pessoal. Jesus não veio para sobrecarregar-nos com culpa; antes, para removê-la.

Penso que aquele olhar foi amor puro e santo... que não suportamos contemplar quando estamos em nosso pecado. Em nossa justiça própria, poderíamos entendê-lo – e até desejar – como ira, ou desapontamento, ou mágoa, ou mesmo "Eu lhe disse isso". Mas, quando o Senhor continua a olhar para nós com amor puro e imaculado... isso nos tira toda justiça própria e nos faz ver que amor santo rejeitamos... e que pessoas ímpias nós somos. Não podemos suportar Jesus olhando para nós com esse amor puro e santo, quando falhamos tão miseravelmente. Portanto, como Pedro, volvemos nosso rosto e choramos amargamente, quando falhamos para com nosso Senhor.

E esse é um erro terrível. Se, quando pecamos contra o Senhor, pudéssemos continuar olhando para sua face, veríamos que este amor santo nos aceita. Ele nos perdoa e nos purifica. Livra-nos da culpa e remove a vergonha. Cura os abatidos e ergue os indignos. Se pudéssemos apenas contemplar a face do Senhor, veríamos um olhar amável que diz: "Venha a mim".

É a face daquele que ama de tal modo que vence o nosso pecado... toma o nosso pecado como dele mesmo... suporta nossa culpa como se fosse sua... um amor que nos une a ele mesmo. Olhar para essa face, pela fé... implica sentir e conhecer o amor mais santo, mais sacrificial e mais redentor possível.

O maior problema de Pedro não foi que ele negou três vezes a Jesus. Ele foi restaurado disso. Nosso maior problema não é negar ou desapontar a Jesus.

O maior problema de Pedro foi que ele saiu e chorou sozinho... em vez de correr para a face amorosa de Jesus. Nosso maior problema é afastar nosso olhar de Jesus. Ele removeu nossos pecados. Temos de olhar para ele e continuar olhando para ele, até que nos regozijemos em sua aceitação amorosa.

Se somos crentes há qualquer tempo, já descobrimos que nossa vida é cheia de fracassos e pecado... até de vários tipos de negação. Mas também descobrimos que ele continua olhando... e chamando-nos a si mesmo. Crente... olhe para Jesus. Não vire o rosto.
Fixe seus olhos em Jesus,

Contemple toda a sua face admirável,

E as coisas da terra ficarão ofuscadas

À luz da glória e graça de Jesus.




______________________

Traduzido por: Wellington Ferreira

Copyright© Thabiti Anyabwile

Copyright© Editora FIEL 2010.

Traduzido do original em inglês: The Look of Love. Publicado em inglês por "The Gospel Coalition", na seção: BLOGS – Thabiti Anyabwile.

O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Big Brother Brasil 10 cartado da minha vida!

Big Brother Brasil 10 cartado da minha vida!

Decidi não assistir o Big Brother, o reality show do momento de entretenimento da família brasileira. Decidi também não fazer um julgamento indevido dos que assistem. Porém, firmo pelo menos dez motivos do porque não parar na frente da TV na hora deste programa:
I. Porque este programa não me tornará conforme a imagem de Cristo (Romanos 8.29). Se tenho o desejo de me tornar santo, puro, separado do mundo, não posso, mesmo no momento do meu entretenimento, assistir coisas que não ensinam nem mostram tais virtudes;
II. Porque este programa não fará aumentar o meu amor por Cristo (1 João 2.15). Se tiver que intensificar o meu amor por Deus então não devo amar as coisas que são deste mundo. Caso ame o mundo e as coisas que há implícitas e explicitas no Big Brother o amor do Pai celeste não está em mim;
III. Porque este programa é feito para cativar os desejos da carne, desejos dos olhos e a soberba da vida (1 João 2.16). Na luta contra a luxúria, a sensualidade, a imoralidade e a libertinagem, não podemos dar alento à carnalidade usando nossos olhos para verem cenas de nudez e licenciosas. Nem mesmo para incentivar tanto os participantes como os telespectadores à soberba da vida que busca de forma desenfreada o status, a fama e o dinheiro;
IV. Porque este programa não é permitido para menores de 14 anos. Veja bem: quando digo que ainda não tenho quatorze anos não me refiro à minha idade de nascimento físico, mas sim, à idade e maturidade espiritual suficiente. Embora saiba que quando atingir tal maturidade não vou desejar ver nada disso. Ainda não atingi a maturidade e o crescimento idealizado por Deus, portanto, não assistirei coisa alguma que me retarde ou atrapalhe este propósito. Portanto, a insígnia: “proibido para menores de 14 anos” deveria ser: “proibido para menores de cento e quarenta anos”;
V. Porque este programa toma o tempo que deveria ser de algum proveito (Efésios 5.16). Neste tempo perdido assistindo este programa eu posso está lendo a Bíblia, um bom livro, orando, ou até mesmo dormindo, que seria bem menos prejudicial;
VI. Porque este programa não substitui a comunhão ou comunicação da minha família (Colossenses 3.18-25). Assistindo aquele programa minha família não poderá conversar comigo sobre assuntos relevantes e não seremos motivados por princípios tradicionais e ternos;
VII. Porque este programa mostra a vã filosofia humanista e anticristã (Colossenses 2.8). Seus idealizadores e apresentador revelam uma filosofia que é prejudicial à igreja;
VIII. Porque este programa não substitui a alegria que Cristo me dá (Atos 8.8). As pessoas só assistem a este programa porque tentam ser felizes, mas não serão. Não encontrarão alegria se assistirem o Big Brother mas se forem assistidos pela graça de Deus;
IX. Porque este programa revela quem são as pessoas de fato, mas não as ajuda (Mateus 11.28-30). Neste programa as pessoas descobrem que são más, gananciosas, egoístas, brigonas e problemáticas, mas saem de lá piores do que entraram e sem nenhuma melhora, apesar de saírem com algum benefício financeiro;
X. Porque este programa já me deu nove motivos de não assisti-lo. Isso é mais que suficiente para me ocupar com algo que me edifique espiritualmente.
Ora, se tenho motivos para não assistir o Big Brother, teria muito mais para não gastar nenhum centavo ligando ou comprando qualquer um de seus produtos de marketing.
Se você achar mais motivos salutares para não assistir o Big Brother comente logo abaixo:
Deus o faça um "Grande Irmão" em Cristo,
Pr. João Duarte

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Divórcio de Benny Hinn

Acompanhe neste link a reportagem sobre o pedido de divórcio da esposa de Benny Hinn:
http://ministerioforcaparaviver.blogspot.com/2010/02/por-gillian-flaco-e-associated-press.html

ORAÇÃO SINCERA

AVIVA-NOS SENHOR!

A maior prova de que precisamos de um avivamento é a nossa falta de busca por um.
Sempre que houve um avivamento, houve antes uma imensa tristeza por falta de um.
A tristeza pela situação deplorável em que vivemos é o início de um avivamento espiritual e bíblico. Foi assim com Neemias, Esdras, Rei Josias, Lutero, Calvino, Jonathan Edwards, Wesley e tantos outros na história da Igreja.
Observe e analise se você pode fazer esta oração:

Senhor Jesus, ajuda-me
Vislumbra-me em ti, a mim
Tu me feres, tu me unges, me curas

Satisfazendo-me satisfazendo-te
Não como eu quero, às vezes quero mal
E sim, como Tu queres, sempre queres bem
Só quero bem quando Teu querer está em mim
Vencendo o “eu” e satisfazendo a ti, e somente a ti

Alegra-me Senhor, alegrando-te de mim
Efetua em mim, óh Deus
Todos os desejos Teus
E realiza em mim, óh Pai, tudo enfim!

O plano Teu me envolveu
Nos tempos eternos iniciou
De forma que não sou mais eu
Que vive, mas, sim, o Senhor!

Oh Deus, eu não sou nada, Tu és tudo,
Que contraste! Que extremos opostos!
Eu, um insuficiente, e Tu, suficiência plena;
Mesmo assim, Tu me chamas, Tu me amas!
Não sei por que, só sei que Tu me amas!

Oh Deus, sou pecador, e, Tu és Santo,
Que contraste! Que extremos opostos!
Eu, um merecedor do inferno, e Tu, um Deus irado!
Mesmo assim, Tu me chamas, Tu me amas!
Eu, um condenado, e Tu, um Salvador perene,
Mesmo assim, Tu me chamas, Tu me amas.
Eu, um iníquo e injusto, Tu um Justo Juiz;
Mesmo assim...

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

ENCHENTES, UM DILÚVIO NA MINHA VIDA!

O RECOMEÇO

GÊNESIS 8


O Brasil tem sofrido penosamente com as muitas chuvas e consequentemente as pessoas têm perdido tudo o que têm. Perdem os moveis, os automóveis, as casas e até mesmo os parentes.

Portanto, quero meditar no período pós - dilúvio. Após grande destruição, desolação, aflição e tribulação, aparecem aos sobreviventes as oportunidades de recomeçar.

  1. DEUS LEMBRA-SE DE NÓS – v.1-5
  1. O Que Significa “Lembrou-se Deus”?

a. “lembrar-se Deus de Noé foi o retorno de Sua misericórdia à humanidade, a qual não tinha exterminado por completo.” (Matthew Henry);

b. “Indica ação baseada em um compromisso prévio (9.15)”, não uma mera lembrança;

  1. De quem Deus se lembrou?

a. Da Humanidade Restaurada: “Noé” e aqueles que faziam parte da aliança;

b. Do Restante da Criação: nosso sustento;

  1. Como Deus Age ao se Lembrar?

a. Faz “soprar um vento sobre a terra”, cf.1.2;

  1. Quais os Efeitos de Deus Lembrar-se?

a. “baixaram as águas” e vv.2-3;

b. Paciência para esperar: “150 dias”;

c. Deus conduz ao “repouso”;

Deus se lembra de todos os seus eleitos;

Lembre-se da Aliança que Ele fez contigo! Lendo e obedecendo a Palavra de Deus; você nunca será esquecido nos planos divinos.

Ø Assim como Deus se lembrou da aliança com Noé, Ele se lembra de nós e nos sustenta – 9.1

Ele sopra gerando vida onde era morte, criando onde nada existia; fazendo ordem onde o caos imperava. Seja pessoalmente grato! Creia que Deus está te gerando de novo! Você viverá para sempre se confiar nEle!

  1. DEUS CONCEDE-NOS ESPERANÇA – v.6-12

O que Moisés quis dizer com a expressão:

  1. “ao cabo de quarenta dias”: longo período; marca a introdução de uma nova era.
  2. Deus concedeu esperança ao fazer Noé abrir a “janela”. Que janela era aquela? (v.6 cf. 6.16); Noé fez a janela com as diretrizes divinas;
  3. Através da ciência de Noé, Deus nos concede esperança fazendo-nos ver com quem parecemos:

a. Corvo: traz apenas carniça do mundo morto

b. Pomba: traz esperança: “folha nova de oliveira”;

  1. Deus concede-nos esperança ao observarmos o dia de descanso – “sete dias”;

A mesma mão que traz a desolação deve trazer a liberação; Como a terra não foi alagada num dia, também não secou em um dia. Deus costuma liberar gradualmente seu povo para que não seja desprezado o dia das coisas pequenas, nem haja desconsolo pelo dia das grandes coisas. Acredite que Deus está no controle de tudo. Espere pacientemente no Criador e Redentor; suas forças nada podem! Se você esperar verá que correu tudo bem, mas se tentar resolver da sua forma...

Ø Dizem: “esta tribulação está demorando muito!” mas, um novo tempo está começando!

Deus mesmo nos dá o escape ao fazermos o que manda; Planeje um novo ano com Ele; Cumpra tudo! Faça reformas na sua vida! Ore e leia a Palavra; Obterá boa consciência; Acharás a janela da esperança!

Ø A pomba é um emblema de uma alma bondosa que, não achando paz ou satisfação firme neste mundo alagado e corrupto, regressa a Cristo como a sua arca, como a seu Noé, seu repouso. O coração carnal, como o corvo, se vira com o mundo e come da carniça que ali encontra; Como Noé tirou sua mão, tomou a pomba e a atraiu a ele, ao interior da arca, assim Cristo salvará, ajudará e acolherá os que fogem a Ele em busca de repouso.

Não se conforme com a podridão do mundo, volte à arca (Jesus); firme seus pés em Cristo!

Tenha nojo do pecado. Alimente a sua alma com comunhão, adoração, estudo e evangelização

Você se sentirá realizado e feliz em sua liberdade para voar e pousar onde Cristo estender a sua Mão;

  1. DEUS ABENÇOA A OBEDIÊNCIA – v.13-19
  1. Quando é que Deus começa a abençoar a obediência de Noé? v. 1 a; no ano novo!

Ø Este é um período de firmar compromissos e planos;

  1. “Então”, exige uma ação obediente por parte de Noé, mediante as águas se secarem sobre a terra. Que ações são estas?

a. Remover: tirar o empecilho;

b. Olhar: constatação, averiguação, planejamento;

  1. Qual foi a ordem de Deus a Noé? v. 16 e 17;

“Posto que o dilúvio foi uma prefiguração do batismo cristão (1Pe 3.20-21), a saída de Noé e sua família da arca pode ser tida como seu surgimento das águas da morte para uma nova vida (cf. Jo 5.28-29; 11.43; Rm 6.3-6). Eles prefiguram a nova humanidade que prevalece sobre o mal” (Genebra).

  1. Qual a atitude de Noé? v. 18

Ø Sair de uma situação difícil depende mesmo da vontade de Deus. Noé saiu obedientemente quando Deus mandou.

Decida! Resolva! Entenda como uma exigência de Deus

Renuncie a si mesmo. Saia da velha vida para a nova vida,

Confesse e deixe. Humilhe-se. Planejando uma vida piedosa. Abandone conselhos ímpios e materialistas e acomodados ao mundo.

Você ficará marcado! Será exaltado! Verás o que poucos viram! Estará diante de imensos e maravilhosos desafios!

  1. DEUS ALEGRA-SE COM SEUS ADORADORES
  1. A Primazia do Culto: v.20

A primeira coisa a ser feita é adorar a Deus. Você está passando por perdas terríveis? Adore o único Deus!

  1. A Reação de Deus:

a. Se agradar: “e o Senhor aspirou o suave cheiro”. Esta é uma referência antropomórfica ao olfato divino que retrata o prazer de Deus na adoração do seu povo.

b. Prometer: “... e disse consigo mesmo: Não tornarei a amaldiçoar a terra...”

Deus não precisa prometer a homens, pois antes de Ele ser fiel aos homens Ele é fiel a Ele mesmo;

c. Sinalizar: “arco” – 9.13

Ø Diante de um imenso desafio prestemos um culto a Deus; as pessoas normalmente deixam de cultuar quando estão diante de grandes desafios ou conflitos, quando deveria ser a primeira coisa a fazer;

Quando estamos cultuando a Deus ele se alegra; o nosso Deus é “Deus de aliança, Deus de promessas”. Ele promete e cumpre! O arco – Iris tinha um significado diferente para mim quando era criança, mas hoje sei seu valor: a fidelidade de Deus em cumprir suas promessas.

Obedeça sem reservas, adore a Deus em primeiro lugar e em todo o tempo e em toda e qualquer situação.

Agrada-te do Senhor... Confie nEle de todo o seu coração, confie na fidelidade dEle. Se tiver que desconfiar desconfie de sua própria fidelidade; Admita que você é pecador e Ele te admitirá no céu. Aceite o “sinal” na tua vida, o sinal da Aliança, o sangue de Jesus. Busque novos propósitos diante de Deus. Faça mais neste novo ano do que fez no passado. Congregue mais, visite mais, perdoe mais, trabalhe mais, confesse mais, planeje mais, execute mais...

CONCLUSÃO:

Recomece! Não importa o quanto suas expectativas estejam destruídas debaixo das águas da tribulação, não importa se seus planos mais sinceros e espirituais tenham virado lama dos dilúvios da vida! Ainda assim, recomece! Recomece agora mesmo, não espere para o ano que vem, mas, recomece agora mesmo!!!


Submit url